quinta-feira, 30 de julho de 2015

Alerta: visão de jovens corre risco



Matéria: Divulgação
Metade dos jovens que sofrem com ceratocone, maior causa de transplante de córnea no país, só tem o diagnóstico aos 20 anos de idade ou mais. É o que mostra uma pesquisa inédita que acaba de ser realizada com 315 portadores da doença pelo oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto. O ceratocone, afirma,  geralmente aparece aos 16 anos e torna a visão desfocada porque afina e deforma a córnea, lente frontal do olho.
Para o médico, os portadores vivem uma superação a cada dia. Têm de suportar visão embaçada, coceira, vista cansada, dor de cabeça, fotofobia, dificuldade para enxergar à noite, trocas sucessivas  de óculos e dificuldade de adaptação às lentes de contato. No Brasil são 100 mil jovens segundo estimativa do CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia).
O diagnóstico anos depois do acometimento pode acelerar ou inviabilizar a aplicação de crosslink e o implante de anel intracorneano, dois procedimentos que evitam o transplante. Isso porque, explica, a progressão da doença varia muito e a córnea deve ter a espessura mínima de 400 micras para receber estas terapias.
Outro risco apontado pela pesquisa é o fato de um quarto dos participantes só consultarem o oftalmologista quando sentem algum desconforto ou alteração no grau. Queiroz Neto afirma que o ceratocone é uma doença degenerativa que não dói. Por isso, o acompanhamento médico periódico a cada 6 meses ou 1 ano conforme a gravidade da doença é essencial para manter a saúde ocular.
Mau uso de lente de contato

Metade dos jovens que sofrem com ceratocone, maior causa de transplante de córnea no país, só tem o diagnóstico aos 20 anos de idade ou mais. É o que mostra uma pesquisa inédita que acaba de ser realizada com 315 portadores da doença pelo oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto. O ceratocone, afirma,  geralmente aparece aos 16 anos e torna a visão desfocada porque afina e deforma a córnea, lente frontal do olho.
Para o médico, os portadores vivem uma superação a cada dia. Têm de suportar visão embaçada, coceira, vista cansada, dor de cabeça, fotofobia, dificuldade para enxergar à noite, trocas sucessivas  de óculos e dificuldade de adaptação às lentes de contato. No Brasil são 100 mil jovens segundo estimativa do CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia).
O diagnóstico anos depois do acometimento pode acelerar ou inviabilizar a aplicação de crosslink e o implante de anel intracorneano, dois procedimentos que evitam o transplante. Isso porque, explica, a progressão da doença varia muito e a córnea deve ter a espessura mínima de 400 micras para receber estas terapias.
Outro risco apontado pela pesquisa é o fato de um quarto dos participantes só consultarem o oftalmologista quando sentem algum desconforto ou alteração no grau. Queiroz Neto afirma que o ceratocone é uma doença degenerativa que não dói. Por isso, o acompanhamento médico periódico a cada 6 meses ou 1 ano conforme a gravidade da doença é essencial para manter a saúde ocular.
A pesquisa também mostra que 61% usam lente de contato para corrigir a visão. A rígida é o tipo mais usado, mas para 41% é desconfortável. O especialista diz que para resolver o problema  só existem duas alternativas: o implante de anel intracorneano  e a adaptação de lente escleral. Em córneas muito deformadas, só o implante pode melhorar o conforto, mas precisam ter condições fisiológicas para receber o dispositivo.
Outro problema entre jovens com ceratocone é o fato de só 3 em cada 10 ter um par de óculos para descansar os olhos da lente em casos de alergia  ou outra doença na superfície ocular. "Mesmo que os óculos não ofereçam boa correção visual, toda pessoa que usa lente de contato precisa ter um par de óculos para algumas situações de emergência", afirma. Insistir no uso da lente pode ferir a córnea e provocar outras complicações.
As falhas mais comuns no uso de lentes são:
ü  18% as vezes dormem com lente prejudicando a oxigenação da córnea.
ü  12% contaminam a lente por não lavarem as mãos antes de manipular.
ü  36% desconhecem que as mãos devem ser lavadas com água e sabão.
ü  80% não trocam o estojo a cada 4 meses.
ü  54%  guardam a lente no banheiro e expõem a córnea a contaminação.
ü  68% antecipam a validade da lente instilando colírio sobre ela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário